Desativar para: inglês

sexta-feira, 7 de julho de 2017

O que causa a depressão? SInais, sintomas e tratamento

A depressão pode ser interpretada como um estado de humor que afeta os pensamentos, os sentimentos o comportamento e bem-estar físico do ser humano.

As pessoas em estados depressivos podem sentir tristeza, ansiedade, inutilidade, irritabilidade, perda de apetite, insónia, suicídio, etc.





Publicidade

O que é a depressão?
É impossível não ter uma vida feita de altos e baixos. Sentir-se infeliz ou triste perante o desapontamento, a perda, a frustração ou a doença é algo normal. Muitas pessoas utilizam a expressão “depressão” para explicar esse tipo de sentimentos, mas trata-se na realidade de depressão situacional, que não é mais do que uma reacção normal perante os acontecimentos que nos rodeiam.

A depressão clínica, contudo, domina por completo a nossa vida e entranha-se no nosso dia-a-dia, interferindo na nossa capacidade de trabalhar, de estudar, de se alimentar, de dormir e de se divertir. É algo inexorável, com ou sem nenhum alívio.

Sentir-se em baixo de tempos em tempos é algo normal que faz parte da vida. No entanto, quando a tristeza se apodera de nós e quando teima em não desaparecer, podemos então, estar com uma depressão.

Mais do que temporário, os momentos de depressão dificultam o desempenho de funções laborais, assim como o(a) impossibilitam de desfrutar a vida, como outrora o fizera.

Uma pessoa com uma depressão grave tem pouco interesse, ou até nenhum, no trabalho ou no lazer, e pode até apresentar dificuldades quanto ao levantar-se da cama.

Com um tratamento e apoio, poderá sentir-se_melhor. Aprender a compreender em que consiste a depressão – incluindo os sinais, os sintomas e as causas – é o primeiro passo para superar o problema.

Quais os sinais e os sintomas da depressão?
Existe uma grande diferença entre “sentir-se deprimido” e sofrer de depressão clínica.
O desânimo próprio da depressão clínica é implacável e esmagador. Algumas pessoas descrevem-no com “viver num buraco negro” ou como a sensação de uma desgraça iminente. Não podem escapar à sua infelicidade e ao desespero. No entanto, algumas pessoas que sofrem de depressão não se sentem minimamente tristes. Pelo contrário, sentem-se sem energia e vazias. Neste estado apático, são incapazes de sentirem prazer.
Mesmo quando participam em atividades que habitualmente apreciavam, sentem-se afastados da realidade. Os sinais e os sintomas variam de pessoa para pessoa e podem aumentar e diminuir em termos de gravidade ao longo do tempo.
A depressão e os homens
A depressão é um termo tendencioso na nossa cultura. Muitos são os que o associam, porém erroneamente, a um sinal de fraqueza ou a um excesso emocional. Isso é especialmente verdade no que toca aos homens. Os homens deprimidos têm menos probabilidade, contrariamente às mulheres, de admitirem sentimentos de auto-repugnância e de desespero.
Como é a depressão expressa quando se trata de homens?
Frequentemente, é percepcionada de maneira mais “socialmente aceitável”. Raiva, agressividade, comportamento irrefletido e violência, juntamente com o abuso de substâncias tóxicas, podem ser sinais de uma depressão subjacente.
Poderá ouvir queixas relativas a cansaço, irritabilidade, problemas em adormecer e desinteresse ou súbito interesse excessivo nas atividades profissionais e de lazeres. Apesar de as mulheres apresentarem taxas de depressão duas vezes mais elevadas do que as taxas apresentadas pelos homens, os homens apresentam um maior risco de suicídio, especialmente no que diz respeito aos homens mais velhos.
A depressão e o suicídio
A depressão é um risco importante no que diz respeito ao suicídio. O desespero profundo e a angústia que surgem associadas à depressão podem fazer com que o suicídio seja encarado como a única forma de pôr um ponto final na dor. Os indivíduos com tendências suicidas apresentam, frequentemente, indícios ou sinais das suas intenções.
A melhor maneira de prevenir o suicídio é saber quais os sinais de alarme e de ficar atento(a) a esses sinais e, por conseguinte, tomar uma atitude caso os reconheça. Se está convito(a) de que um(a) amigo(a) ou um familiar apresenta tendências suicidas, pode desempenhar um papel na prevenção do suicídio mostrando-lhe o caminho rumo a alternativas, mostrando o quanto se preocupa e recorrendo à ajuda de um profissional.
As várias faces da Depressão
A depressão reveste várias formas e feitios. Para alguns, a depressão pode persistir, a um nível reduzido, durante meses e mesmo durante anos. Para outros, os sintomas são tão intensos que interferem gravemente com o quotidiano podendo levá-los ao suicídio.
A depressão pode ser desencadeada ou agravada por acontecimentos pessoais e interpessoais, por alterações hormonais (por exemplo, após_o_parto) e pode até ser provocada pela falta de luz solar.
Depressão Clínica
A depressão clínica caracteriza-se pela incapacidade de desfrutar da vida e de sentir prazer. A falta de interesse pelas atividades realizadas no exterior, os sentimentos fortes de demérito ou de culpa, os pensamentos segundo os quais a vida não vale a pena ser vivida, o aumento ou a perda de peso, os distúrbios do sono, tudo isto são sinais característicos da depressão clínica.
Normalmente, estes sentimentos devem persistir pelo menos durante duas semanas para que possamos considerar que se trata de um episódio de depressão clínica.
Os sintomas podem variar:
• De ligeiros, quando consegue realizar atividades quotidianas com algum esforço adicional;
• A graves, quando deixa de poder concluir atividades diárias.
A distimia (Depressão leve mas prolongada)
No caso de sofrer de distimia, sentir-se-á como se tivesse sempre estado deprimido(a). No âmbito da distimia, os sintomas depressivos não são tão intensos quanto os de um episódio de depressão clínica, no entanto, perduram durante um longo período de tempo, ou seja, durante pelo menos dois anos. Serão mais os dias em que se sentirá ligeiramente ou moderadamente deprimido(a), embora possa ter, temporariamente, uma melhor disposição. Estes sintomas crónicos podem fazer com que o desfrutar da vida seja algo difícil, assim como relembrar tempos melhores.
Dicas de auto ajuda para o tratamento da depressão
Quando está deprimido(a), pode parecer-lhe que nunca sairá da sombra.
No entanto, até a mais grave depressão é uma doença que pode ser tratada.
Existem muitas formas eficazes de lidar com a depressão, incluindo alterações de estilos de vida, terapia, medicação e tratamentos alternativos.
Informar-se acerca das opções de tratamento ajudá-lo(a)-á a decidir quais as medidas que apresentam mais probabilidades de resultar relativa à sua situação concreta e às suas necessidades.
Explorar as opções de tratamento da depressão
Assim como duas pessoas não são afetadas da mesma forma pela depressão, não existe um tratamento “único” para curar a depressão. O que funciona para uma pessoa pode não resultar para outra.
O melhor caminho para tratar a depressão é informar-se o quanto possível acerca das opções terapêuticas e, então, adequá-las em consonância com as suas necessidades.
Aprenda o mais possível acerca da sua depressão
É importante determinar se os sintomas da sua depressão se devem a uma doença subjacente. Se assim for, essa doença deverá ser tratada em primeiro lugar.
O quão grave for a sua depressão também desempenhará um papel no tratamento: quanto mais grave for a depressão, mais intensivo deverá ser o tratamento.
Encontrar o tratamento adequado leva o seu tempo
Pode ser necessário fazer algum teste e cometer algum erro para encontrar o tratamento e os apoios que resultem realmente consigo. Por exemplo, poderão ser necessárias algumas tentativas para encontrar um terapeuta com o qual simpatize de imediato no caso de decidir prosseguir o tratamento.
Ou pode experimentar diferentes tipos de exercício para, finalmente, descobrir que o melhor, para si, pode ser uma caminhada de vinte minutos a seguir ao trabalho.
Esteja receptível à mudança e a alguma experimentação.

Não confie somente nos medicamentos
É difícil escapar aos anúncios acerca de remédios enquanto tratamento para a depressão. Embora a medicação possa ser eficaz no âmbito da depressão grave, determinados estudos demonstraram que a terapia pode ser tão eficaz ou até mesmo um tratamento mais eficaz para muitos tipos de depressão.

A terapia e / ou mudanças de estilo de vida podem ser tudo do que necessita, e surgem sem os efeitos secundários da medicação. No caso de optar por experimentar a medicação, lembre-se que a medicação resulta mais quando prossegue à risca a terapia.

Procure apoio social
Quanto mais cultivar as suas relações sociais, mais protegido(a) estará da depressão. Se se sentir preso(a), não hesite em falar com familiares ou amigos em quem confia.

Pedir ajuda não é um sinal de fraqueza, mas sim um sinal de força.

O tratamento leva o seu tempo e necessita de empenho

Todos esses tratamentos da depressão levam o seu tempo e, por vezes, pode achá-los avassaladores ou frustrantemente lentos.

É normal. A recuperação tem os seus altos e baixos.

As mudanças de estilo de vida

Uma parte essencial no tratamento da depressão

As alterações do estilo de vida são simples, contudo representam ferramentas poderosas no tratamento da depressão.

Por vezes, é tudo do que necessita. Embora possa necessitar de outro tratamento, as alterações do estilo de vida contribuem para ajudar a levantar o moral.

E podem ajudar a manter a depressão à distância assim que começar a sentir-se melhor.

As mudanças de estilo de vida que podem tratar a depressão.

O exercício:

A prática regular de exercício físico proporciona alterações químicas no corpo que levantam, naturalmente, o humor.

Não precisa de treinar como se fosse correr a maratona: uma curta caminhada diária ajuda-lo(a)-á. 

A nutrição:

Comer regularmente e ter uma dieta equilibrada é importante quer para a sua saúde física, quer para a sua saúde mental. 

O sono:

O fato de dormir pouco tem consequências na sua disposição. Dormir o número de horas suficiente é uma prioridade para si. 

O apoio social:

Relações sociais fortes reduzem o isolamento que é um fator de risco relativamente à depressão.

Mantenha um contato regular com os amigos e com a família ou considere ingressar numa aula ou num grupo.

O voluntariado é uma forma maravilhosa de obter apoio social e de ajudar os outros enquanto se está a ajudar a si ao mesmo tempo. 

A redução do stress:

Faça mudanças na sua vida para ajudar a gerir e a reduzir o stress. O stress em demasia agrava a depressão e coloca-o (a) em risco quanto a uma futura depressão.

Colocar em prática as mudanças de estilo de vida

É fácil falar de mudanças de estilo de vida, mais trata-se de um desafio fazer com que estas tomem parte no seu dia-a-dia – especialmente se a sua depressão for grave. depressaoansiedade

Ieia mais: Principais-medicamentos-e-tratamentos.

Publicidade

Um comentário:

  1. A depressão é um tema muito importante à ser abordado, pois ela pode desencadear diversos problemas de saúde.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...