Desativar para: inglês

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Vícios modernos: comportamentos que você é uma vítima e nao sabe

Celebridades e vícios continuam a ser o cocktail favorito da mídia. Mas não é a Courtney e a Nicole Richies que os excita mais. Alcoólicos e toxico dependentes fazem chegar a cobertura nas páginas internas e as últimas seções de boletins de notícias, mas as manchetes têm sido agarradas por outros vícios modernos. 

Intervenções voltadas a outras formas de vício comportamental são tão essenciais como as intervenções da dependência de drogas que estão sendo feitas para ajudar as pessoas que são viciadas em drogas. 

Publicidade

Nem todos nós queremos atualizações sobre vício em sexo, Lindsay Lohan e maratonas de compras e o vício de Donatella Versace "quer olhar-se como um alien". Mas não são apenas as celebridades que trazem esses vícios para as manchetes, você é uma vítima de qualquer dos dez listados abaixo?


Workaholics (Vício do Trabalho)
Workaholics muitas vezes ganham o respeito no mundo comercial moderno, onde cada segundo é a sua chance de ganhar mais. Mas esse compromisso excessivo com o trabalho chama toda a energia do viciado. As linhas entre trabalho duro e vício em trabalho começam a confundir-se. Workaholics, como outros viciados, obtêm uma sacudida da realidade somente quando acontece algo crítico para a sua saúde e relacionamentos.

No Japão, eles têm uma palavra para esse golpe fatal. É chamada de Karoshi ou "morte por excesso de trabalho". O fenómeno criou uma celeuma quando, em 1980, alguns executivos japoneses morreram sem nenhuma história de doença.

Workaholic Anónimos, um grupo de autoajuda, oferece um plano de tratamento de 12 passos para workaholics.

Vício do Amor
Há apenas uma pequena diferença entre um amor viciado e um amante abandonado. O viciado no amor nunca vai deixá-lo ir, afetando a sua saúde e relacionamentos, até que ele se apaixone novamente (e isso pode levar um longo tempo).

Um relatório recente da CNN ("Vício do Amor - como quebrá-lo"), citado por Psychology Today, explicando como a paixão pode produzir um aumento da feniletilamina (PEA), uma substância química neurológica que dá euforia quando alguém se apaixona.

O relatório também contou com o estudo feito pela antropóloga Helen Fisher, que descobriu que as pessoas que estão enfatuadas têm sintomas em partes com dependentes de cocaína, como insónia e perda do sentido de tempo.

O vício tem alimentado o crescimento de grupos de autoajuda e terapeutas treinados em vício do amor. Atualmente, sexo e amor, oferece um programa de 12 passos para a recuperação.

Vício da Televisão
"O problema com a televisão é que as pessoas devem sentar-se e manter os olhos colados na tela, a família americana média não tem tempo para isso. Portanto, os homens do show estão convencidos de que, por essa razão, se nenhuma outra, a televisão nunca será um sério concorrente da radiodifusão." (New York Tempo Editorial , 1939).

Hoje, um americano médio vê a sua TV em conjunto por mais de quatro horas por dia, segundo uma pesquisa da AC Nielson Co. É para ser acreditado. Isso significa que, com a idade de sessenta e cinco anos. este homem triste e velho teria passado nove anos da sua vida colado à "caixa idiota".

Viciados em TV compartilham muitos sintomas de abuso clínicos como impotência em pôr fim ao vício, utilizar a televisão para acalmar os nervos e irritabilidade quando forçado a interromper o hábito.

Vício do Branqueamento dos Dentes
Houve um crescimento de 300 por cento no número de pessoas que ficam viciadas em produtos e tratamentos de branqueamento dos dentes. As consequências são tão horríveis como em outros vícios. Sensibilidade excessiva dos dentes, sangramento nas gengivas e dentes transparentes são queixas comuns em clínicas de dentistas. O tratamento consiste em fazer os pacientes mais confiantes sobre a sua aparência e sorriso.

Vício do Exercício
O exercitador excessivo compulsivo parece ser uma criatura de outro planeta para aqueles de nós que precisam de um terramoto para nos mover para fora dos nossos sofás. No entanto, esta espécie existe e é tão humana quanto o resto de nós. A única diferença é que, mesmo um terramoto teria dificuldade para desalojar estes viciados das suas esteiras.

Estatísticas de dependência de exercício são difíceis de encontrar, pois geralmente coexistem com outros transtornos alimentares. À semelhança de outros viciados, os abusadores de esteira sacrificam a sua saúde e vida social para o seu vício.

Um estudo publicado pela Behavioral Neuroscience em agosto de 2009 encontrou semelhanças entre funcionamento excessivo e comportamento de abuso de drogas.

Oniomania (Vício das Compras)
Se digitar "Lindsay Lohan shopping" em busca de imagens do Google, será inundado por mais de 1,3 milhões de resultados. Um tabloide popular mesmo afirmou que Lohan se transformou num hipnotizador para curá-la do vício das compras.

Não são apenas as celebridades que são atingidas por esse vício: não temos que procurar muito para encontrar oniomaniacs ou compradores compulsivos em quase todos os bairros. Compras compulsivas muitas vezes podem levar à acumulação e requer ajuda através de centros de tratamento de açambarcamento. De acordo com um estudo de 2006 publicado no American Journal of Psychiatry, compras compulsivas afetam mais de 1 em cada 20 adultos americanos.

Este impulso de comprar além das necessidades ou meios tem sido associado à depressão e levou muitas shopaholics à beira da falência.

Tanorexia (Vício de Bronzeamento)
Graças a Deus por Donatella Versace. Não para a sua linha de moda, mas para as suas imagens recentes que impediram muitas pessoas de serem vítimas de um vício em bronzeamento. A comunidade médica está preocupada com curtimento e desaconselha o uso de camas de bronzeamento. "A Agência Internacional para Pesquisa sobre o Cancro elevou o seu alerta de camas de bronzeamento de provavelmente cancerígeno para os seres humanos para cancerígeno para os seres humanos”. No entanto, tanorexia (ou vício de bronzeamento) continua a ser um problema, especialmente entre as mulheres.


Viciados podem sentir que estão apenas começando a ter um brilho saudável, mas um estudo de 2006 da Wake Forest University descobriu que os raios UV de camas de bronzeamento produzem endorfinas no corpo. Assim, uma rutura em horários de bronzeamento provoca sintomas de abstinência, como em casos de abuso de álcool/drogas.

Vício em Sexo
A história é que Tiger Woods está sendo tratado num centro de saúde comportamental e da dependência em Hattiesburg, porque ele simplesmente não conseguia sexo suficiente. O desejo de gratificação sexual é tão antigo quanto a história da humanidade. Mas as famílias disfuncionais modernas são frequentemente acusadas de transformar uma vontade humana sobre o comportamento sexual compulsivo e algumas acham que o acesso fácil à Internet só fez aumentar as desgraças.

A Associação Americana de Psicologia não coloca vício em sexo num distúrbio que pode ser diagnosticado. Mas um número crescente de grupos de autoajuda e centros de recuperação de sexo como Sexuais Anónimos Compulsivos e Viciados em Sexo Anónimos mostram um problema que está presente e precisa de atenção médica.

Vício em Internet
Navegar através da rede sem rumo e não quer desligar o PC, provavelmente é bom. Mas se esta passa a ser sua rotina diária, uma perturbação em que o deixa irritado, pode estar sofrendo de vício da internet.

Psiquiatras no mundo inteiro estão reconhecendo os efeitos que alteram o humor da linha de pornografia, jogos de azar, jogos, redes, blogs, entre outros. Em alguns países, o vício da Internet tornou-se um grave problema social. Uma pesquisa do governo sul-coreano de 2007, descobriu que 30 por cento dos seus cidadãos menores de 18 anos estavam em perigo de tornar-se viciados na Internet. Nos EUA, um centro de tratamento residencial abriu as suas portas para viciados em Internet em 2009. Localizado perto de Seattle, Washington, é chamado de reiniciar e oferece um programa de 45 dias para a recuperação.

Comer
Nos Estados Unidos mais de 70 milhões de pessoas são viciadas em comida (David Kessler, Administração Federal de Drogas).

Pesquisas envolvendo animais mostram que narcóticos estimulam as mesmas áreas do cérebro que dizem respeito à recompensa do o ato de comer.

Aproximadamente 50% das pessoas obesas, 30% daquelas com sobrepeso e 20% daquelas que estão em uma “dieta saudável” são viciadas em um tipo particular, uma combinação ou a quantidades específicas de comida.

Aproximadamente 400 mil mortes estão diretamente ligadas ao peso excessivo e os custos com tratamento ou ausência no trabalho, somente no ano 2000, chegou a 117 bilhões de dólares. Açúcar é uma substância tóxica e a principal causa de doenças hepáticas. Na Europa, os custos do tratamento da obesidade em adultos dizem respeito a 65% de todo o custo com saúde.

O resultado de um estudo do Multicentro Nacional da População Polonesa (ainda não tenho os dados brasileiros) mostra que 20% dos poloneses são obesos, principalmente como resultado da falta de exercícios físicos e consumo exagerado de gorduras. O sobrepeso afeta 9,7% dos garotos de 13 anos e 3.9% das meninas de mesma idade.

Para algumas pessoas, comer se tornou uma forma ineficiente de escapar de seus problemas emocionais, que tem resultado em desordens alimentares como anorexia e bulimia.

O vício por comer é causado pelas tendências sociais predominantes no aumento do consumo de praticamente tudo. Em 1998 nas Ilhas Fiji, onde as mulheres tradicionalmente não tinham nenhum complexo de seus corpos, emissoras de TV começaram a passar programas americanos (Beverly Hills 90210).

Então, três anos depois, 73% das mulheres se diziam gordas. Assistindo televisão 3 ou 4 vezes por semana, 30% das mulheres decidiram entrar em dieta. Isso mostra que o vício em comida é agora acompanhado pelo vício em ser atraente (a tendência atual é a chamada aptidão estética). No caso dos homens, isso pode levar a vigorexia (um vício de construção do corpo).

Fofocas
Em “A ciência da fofoca: por que não conseguimos nos controlar” (Scientific American, 2008), Frank McAndrew descreve os aspectos sociais da fofoca: reforça o sentimento de moralidade do grupo, troca de informações, compartilhando de valores e interesses.

A fofoca é uma forma de defesa do grupo contra os pontos de vista intoleráveis de outras pessoas e comportamento, uma forma de evitar o tédio e satisfazer a sua curiosidade por descobrir os limites. Esse tipo de prática pode ser definido também como “fortalecer uma pessoa em detrimento de outra” (Hafen) e “uma forma de ataque” (Peter Vajda).

A fofoca no trabalho é motivada, muitas pela vontade de se adaptar à cultura corporativa vigente, para alcançar um status mais elevado ou para construir uma rede de influência. Pode levar à redução da produtividade e perda de tempo, à distorção de informações e mudanças dos fatos.

Pode resultar em menos confiança naqueles que fofocam e aqueles que são vítimas da fofoca acabam por perder de sua motivação, acabam tendo seus sentimentos feridos e sua reputação danificada.

O jornal Daily Mail publicou os resultados de uma pesquisa (First Cape) que mostra que mulheres no Reino Unido gastam cerca de 5 horas por dia fofocando! Elas fofocam principalmente sobre os problemas de outras pessoas, sobre quem está saindo com quem e sobre os filhos dos outros.

Todos esses temas são seguidos também pelo sexo, compras e histórias. Em outra pesquisa, o Dr. Robin Dunbar afirma que 65% da fala diária de uma pessoa é fofoca. E apesar da fofoca ser pensada sempre como trivial e superficial, ela evoluiu como um conceito linguístico ou ferramenta de manejo do mundo social e, sem ela, a comunicação baseada apenas em fatos seria de natureza enciclopédica e pouco atrativa para seu interlocutor.

A tendência da celebração da cultura, o que leva a situações em que o cérebro, estimulado pela mídia, tende a ver cantores ou atores famosos como seus próprios membros de família, reforça a instituição de fofoca. É difícil imaginar uma empresa sem esta forma de construir relações e grupos de amigos fofocando sobre seus “adversários”.
 
Vício em Cirurgias Plásticas
Quando Deus lhe der limões, faça limonadas. Isso é passado. Agora, quando Deus lhe der limões, pode transformá-los em qualquer coisa de qualquer dimensão.


Imagem corporal negativa é dirigir hordas de pessoas sob o bisturi. Um pouco de estreitamento, um pouco de uma dobra, uma ampliação e um monte de alinhamento... As pessoas estão fazendo tudo e pagar a tudo para se aproximarem da perfeição.

Em 2006, a Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Estéticos, alertou os seus membros sobre pacientes com transtorno dimórfico corporal ou "síndrome feio imaginado". A cirurgia estética é uma viagem sem fim para estes viciados porque eles nunca estão satisfeitos com os resultados. A organização relatou um estudo alarmante em que encontraram que quarenta por cento dos usuários de Botox admitiram ser atraídos pela atração de tratamento continuado.


A imagem de Jocelyn Wildenstein, uma socialite norte-americana que gastou milhões para obter a aparência perfeita, espelha os horrores de ser uma viciada em cirurgia plástica. 

Publicidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...